ainda sou do tempo que o Soares achava o Seguro bom e o Hollande uma grande esperança



Soares assina como fundador do PS, trata Seguro como alguém que se apropriou do seu PS sem a sua autorização – e portanto sem legitimidade - e escreve-lhe, no Público, uma declaração de guerra, exigindo-lhe um congresso e declarando a sua morte política. Soares exige António Costa dizendo que este é que é bom.

num outro planeta, a anos de luz do nosso, Soares jurou esperança em Hollande, gritou que "o PS está mais unido e forte do que nunca" e declarou solenemente que "José Seguro é o meu líder".

Sem comentários:

Enviar um comentário