firmas de advocacia multidisciplinares, não


Paula Teixeira da Cruz considerou que este modelo choca na existência de "interesses conflituantes" entre o código deontológico dos advogados e outras práticas profissionais.

a posição da ministra foi conhecida na última quinta-feira, no encerramento do 7.º Encontro Nacional da Associação das Sociedades de Advogados de Portugal (ASAP), onde também deu a conhecer as linhas de força do novo Estatuto da Ordem dos Advogados.

linhas de força do próximo estatuto dos advogados 
contas fiscalizadas por um conselho fiscal e o bastonário poderá ter de ser eleito numa segunda volta, mas não só:

1. criação de um órgão fiscalizador das contas da Ordem - um conselho fiscal. 

2. possibilidade de vir a ser designado, pela Ordem, o chamado Provedor do Cidadão.

3. alteração à eleição do bastonário. actualmente, o líder dos advogados é eleito a uma primeira volta, bastando-lhe uma maioria simples. Se a mudança for para a frente, só com mais de 50% dos votos poderá haver eleição, pelo que o desfecho da votação poderá ter de ser decidido numa segunda volta.

4. outra das alterações previstas é a da limitação do número de mandatos que os titulares de órgãos da Ordem dos Advogados poderão cumprir. só poderão exercer dois mandatos sucessivos.

5. realização de uma única prova de agregação após o final do estágio; deverá ser estabelecida como meta para acesso ao estágio a conclusão de um mestrado em Direito. actualmente, segundo os estatutos, basta a licenciatura.

Sem comentários:

Enviar um comentário