no país do "salva-se quem puder"


"Na PT não se consegue saber quem decidiu investir 700 milhões de euros em títulos de dívida do Grupo Espírito Santo e a comissão de auditoria está preocupada em salvar a pele. No BES descobriram-se buracos inimagináveis que passaram ao lado da KPMG. Na criação do Novo Banco quase todos fogem de dar a cara, deixando o governador do Banco de Portugal sozinho. É o pior de Portugal no seu melhor. Um triste espectáculo de "salve-se quem puder" e que se lixe o país e os portugueses."
Helena Garrido, JNegocios

Sem comentários:

Enviar um comentário