(outro) abraçaço


depois de 2013 ter crescimento apenas 2,3%, 2014 está a começar mal (crescimento de apenas 0,2% no primeiro trimestre), da inflação elevada (6,5% em julho) e da falta de reformas, com o início da campanha para as eleições de 5 de outubro, Dilma já revelou medidas para reanimar a concessão de empréstimos e o crescimento económico: crédito comercial, hipotecário e automóvel serão impactados pela intervenção governamental. se calhar também por causa disso, que já sabemos onde nos leva, temos aqui o Caetano a abraçar a Marina (texto de leitura obrigatória).

Sem comentários:

Enviar um comentário