"Não estamos aqui para inventar"


Foi assim, com muitas críticas ao PS, mas também com um aviso de que sem maioria absoluta nos devemos preparar para eleições antecipadas, que Passos Coelho e Paulo Portas apresentaram o programa eleitoral da coligação.

Sem que possa falar de "novidades", há mesmo assim alguns pontos a assinalar no documento: plafonamento na Segurança Social, apoios extra para quem tem filhos (no IRS e pensões futuras das mulheres); pequenos apoios em matéria de TSU; escolas públicas entregues a professores ou instituições; novos apoios a quem troque o subsídio por um trabalho. Aqui pode encontrar um guião para as principais propostas em nove setores - que compara com a feita para o PS - que por sua vez já reagiu ao que leu.


ADENDA 1:
O Diário Económico pediu a Mário Centeno (o coordenador da equipa que preparou o cenário macro-económico do PS) para comentar as propostas da coligação na área da segurança social, e a Jorge Bravo, um especialista que ajudou a fazer o programa da coligação e que comentou as ideias do PS. A discussão sobre esta área vai prosseguir, mas este texto, Que solução para a Segurança Social?, é uma boa e inteligente introdução aos argumentos dos dois lados.

ADENDA 2:
[Explicador] Plafonamento das pensões: que proposta é esta

ADENDA 3:
Guia interativo com as propostas que distinguem os programas eleitorais dos principais partidos.

Sem comentários:

Enviar um comentário