Que a orgia constitucional comece!

Rui Ramos, Restauração constitucional, Observador:
“Por menos jeito que isso dê à nossa oligarquia, a constituição não reduz o Presidente da República a uma simples chancela. O Presidente é eleito por sufrágio directo e universal dos cidadãos portugueses. Desempenha um papel político que é simultaneamente de orientação, de garantia e de representação. Mais do que o direito, tem a obrigação de ajuizar e de decidir.”

2 comentários:

  1. que ajuíze
    que decida
    mas que seja consequente
    e coerente

    Catarina Martins definiu-o como o "líder da seita"
    talvez nem seja, mas é como tal que se comporta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Catarina queria que ele indigitasse aquele com quem diz ter um acordo que não mostra de um só orçamento em quatro. Não sei se é ela quem testa os limites da decência e, nesse sentido, ficar-lhe-á muito mais bem aplicado o título de "líder da seita", não lhe parece?

      Eliminar