Na Dinamarca manda o homem que ficou em terceiro mas...

No reino da Dinamarca é assim: desde 1903 que um partido não consegue ter sozinho uma maioria absoluta; há uma regra não escrita que diz que é preciso um partido contar até 90 para garantir que pode governar (sendo os 90 o número de deputados que não se opõem a que este governe); e há esta outra regra não escrita - os partidos têm de indicar antes das eleições quem é que apoiam para ocupar o cargo de primeiro-ministro. “É essa a norma, porque as pessoas não aceitam um partido que diz ‘depois das eleições vê-se’”, explica um dos grandes politólogos do reino. Vale a pena ler o João Almeida Dias e depois refletir, claro.

Sem comentários:

Enviar um comentário